quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

E se falassemos de Deus?


Cara amiga,
E se falássemos de Deus?
Se é algo angustiante e perturbador pensarmos no tempo que já vivemos, revendo a nossa infância, na pobreza, mas também simplicidade e quietude que a envolveram, constatando que essa quietude foi perturbada pelo desmoronar de todas as muralhas que nos protegiam, de ver o mundo no seu lado mais cruel e sem beleza, pois vivíamos num mundo onde a presença de Deus era natural e respondia as nossas interrogações mais imediatas. A destruição dessas muralhas, na maioria de nós adultos, provocou como resultado sonhos não realizados, afinal na maioria das vezes nem sequer tentados. Andamos aos zig zags sempre em busca do caminho certo e sempre a ter que corrigir o rumo, poucas vezes olhando para dentro de nós. A ausência do Transcendente limita a descoberta do próprio eu, sentimos que Deus não está presente como antes, mas poucas vezes ousamos perguntar a nós mesmos se a nossa vida com a sua ausência, ou pelo menos a sua pouca presença, tem algum sentido e responde às nossas ansiedades mais profundas.
O que me ocorre, é que não chegamos jamais a possuí-lo. Pois quando isso teria acontecido?
Como acreditar que uma criança ou um jovem pode sustentá-lo, se os homens só o suportam com esforço, se o seu peso parece que esmaga os anciãos? Acreditas que alguém, caso realmente o possua, pode perdê-lo como se perde uma pedrinha qualquer, ou então que quem o tivesse só poderia ser perdido por ele? Contudo, se Ele de alguma forma habitou a nossa infância, podemos intuir que Cristo que o anunciou não foi uma ilusão, deixou-nos palavras novas sobre o amor.
 Se muitas vezes tu sentes, provavelmente com algum temor, que Deus também não existe agora, neste momento em que falamos dele, até pelas maldades que se fazem em seu nome, então de que vale sentir falta dele, que nunca existiu, como de algo passado, e procurá-lo como se o tivéssemos perdido? Por que não pensar que ele é aquele que embora tenha já vindo ainda está por vir, aquele que se encontra diante da eternidade, o futuro, o derradeiro fruto de uma árvore cujas folhas somos nós? O que o impede de projetar o seu nascimento nos tempos por vir, de modo a viver sua vida como um dia doloroso e belo na história de uma grande gravidez?
Muitas vezes não percebemos como tudo o que acontece é sempre de novo um começo. E como tal sempre renovado e sempre tão belo. Se ele é o mais perfeito, o que há de pequeno não tem que estar antes dele, de maneira que ele possa se escolher a partir da plenitude e da superabundância? Ele não tem de ser o último, a fim de abarcar tudo? E que sentido teria para nós se aquele pelo qual ansiámos já tivesse existido e não estivesse presente agora? Assim como as abelhas juntam o mel, reunimos o que há de mais doce em tudo e o construímos. É com o que há de menor, com o que há de insignificante (caso resulte do amor) que começamos, em seguida recorremos ao trabalho e ao descanso, a um silêncio ou a uma pequena alegria solitária, a tudo aquilo que fazemos sozinhos, sem participantes e colaboradores, assim damos início àquele que não presenciaremos, do mesmo modo que nossos antepassados não nos puderam presenciar. E no entanto eles, que se foram há muito tempo, encontram-se em nós, como projeto, como carga pesando sobre o nosso destino, como sangue que corre em nós e como um gesto que desponta das profundezas do tempo.
Que razão ou motivo pode tirar a esperança de estar um dia nele, no mais distante, no mais extremo?
Cara amiga, que estes dias de transição e interpelação sejam justamente o tempo em que tudo em ti, está vivo como no passado, quando ainda eras criança. Tem paciência, e pensa que o mínimo que podemos fazer é não dificultar sua vinda mais do que o Inverno dificulta a chegada da Primavera que mesmo assim explode em cor e beleza.
Com amizade

Sem comentários:

Enviar um comentário

Main Menu

Subscribe

Submenu Section