quarta-feira, 29 de julho de 2015

Pseudo-Poema



Os pássaros chilreiam no entardecer do dia,
em cantos leves e ondulantes de serenata,
em sintonia com as vozes graciosas de crianças,
fazem dos quotidianos horas de silêncios. 

Quão belo pode ser o verde das árvores altas
se há cães felpudos nas suas sombras? 
E quão intensamente pode uma alma sentir
em longos instantes de plena solitude?

Há ainda o mar que bate longe e ecoa perto
e um coração que se esvazia lentamente 
pelo caminho tortuoso dos tempos amargos,
mas que não azeda a vida que se adocica na ventura.

Porque há a esperança nas vozes do mundo
e as aves cantam fortemente contra os dias aziagos,
que se querem de repleta luminosidade e vigor
brilhando sempre o Sol  em todos os céus azuis.


5 comentários:

  1. Respostas
    1. Muito obrigada! É importante para nós os comentários dos nossos leitores, ainda para mais se forem elogios tão bons de ler!

      Eliminar
    2. Fiquei conquistada pela página, pela sensibilidade, pelo bom gosto.

      Eliminar
    3. Fiquei conquistada pela página, pela sensibilidade, pelo bom gosto.

      Eliminar
    4. Muito obrigado! Esperamos a sua visita mais vezes!

      Eliminar

Main Menu

Subscribe

Submenu Section